terça-feira, 23 de agosto de 2011

Numa destas noites em que a alma reza...

Um coração machucado

Busca de algo que possa ser maior

Do que aquilo que os olhos alcançam.

Pedras no caminho...

Mãos e pés feridos pelas andanças,

Mas que ainda insistem em não parar.

 

Onde está o teu Deus?

Parece que chego a ouvir...

Eu mesmo me pergunto:

Onde está o meu Deus?

Meu Deus crucificado...

 

Por que tanta maldade?

Por que tantas cruzes?

Por que tanta ausência daquilo

Em que se pode esperar...

 

Onde está o meu Deus?

Volta a pergunta que me desconserta...

Onde está o teu rosto neste deserto?

Onde está a tua voz neste barulho?

Onde está a tua presença nesta carência?

 

Onde estás?

Estás no sorriso que teima em sair

Num rosto marcado pelas tristezas do tempo;

Estás na fraca luz de uma vida em perigo;

Estás na aparente ausência da presente força da vida...

 

Dá-me olhos, é o que suplico!

Não os olhos que tenho acima do nariz,

Mas os olhos da vida...

Anima minha anima

Para que eu possa ver além...

 

Esperança, esta é a minha prece...

Pois entendo, a cada dia, que

Esperar contra toda a esperança,

Esta é a minha esperança.


--
P.e Maikel P. Dalbem, C.Ss.R.

Um comentário:

  1. Que Deus o mantenha sempre inspirado dessa forma porque assim além de nos falar ao coração, nos abre os olhos, nos dá mais a certeza dos caminhos para o fortalecimento de nossa fé. Obrigada, abraços...

    ResponderExcluir