sábado, 20 de março de 2010

Liturgia Dominical

5º Domingo do Advento – Ano C

 

 

 

1ª leitura: Is 43,16-21: Deus não agiu somente no passado da história de Israel, pelo contrário, continua agindo preparando o caminho de retorno daqueles que estão no Exílio da Babilônia. No contexto da história da Aliança, o profeta nos fala da fidelidade de Deus. Ele faz caminho com o povo de Israel, não somente naquele momento, como no passado e também continuará a caminhar com seu povo.

 

2ª leitura: Fl 3,8-14: Paulo, ao se converter, deixa para trás muitas coisas e se abre para a vida nova em Cristo. Contudo, seu caminho continua. Semelhante a um competidor que ainda realiza sua corrida, ele ainda não alcançou sua meta. Importa, enquanto caminha em meio às dificuldades, seguir vivendo no Cristo.

 

Evangelho: Jo 8,1-11: O presente relato nos lembra muito a história de mulher Suzana (Dn 13). O que está em jogo é a percepção do descompasso entre a justiça "fingida" dos anciãos e a misericórdia de Deus. Uma pequena diferença é essencial para a compreensão: a Suzana encontrada em Dn 13 era justa, enquanto a adúltera de Jo 8 é uma pecadora pública. Aqui encontramos algo de essencial: Deus não protege somente os justos, mas salva também os pecadores. Abre caminho para uma nova vida, distante do pecado.

 

Breve Reflexão: O tema recorrente nas três leituras de hoje é a libertação de um passado de morte para se abrir à novidade da vida em Deus. O povo de Israel, Paulo e a adúltera, cada qual em seu contexto, rompe com um passado caracterizado pela opressão, pelo legalismo e pelo pecado, para se abrir o novo que vem de Deus como Graça.

Os três casos são exemplos extremos de uma realidade profunda da fé: em Deus, como cristãos, somos chamados a uma nova realidade de vida. Somos chamados a entrar num caminho de ruptura com um estilo de vida, uma cultura, um mundo marcado pela morte. Esta é a realidade para a qual somos chamados no batismo. Nisto encontramos realidade da ruptura entre o homem velho e o homem novo, renascido em Cristo.

O tempo quaresmal nos convida a rever nossos caminhos; a perceber se estamos ou não inseridos neste caminho de vida no Senhor. Rompendo com tudo aquilo que nos aprisiona, somos chamados a viver na liberdade responsável dos filhos de Deus. O tema proposto pela CF-2010 aborda claramente esta realidade. Uma sociedade, uma cultura, uma vida regida pela idolatria ao dinheiro está profundamente marcada pela morte e a corrupção, pois mata, das muitas formas possíveis que se pode assassinar alguém, para sempre mais "ter".

Que Deus nos dê a graça da conversão. Que possamos realizar nesta Quaresma uma verdadeira revisão de vida para, mais libertos do Reino da Morte, possamos renascer livres e fiéis em Cristo Jesus.

 

Pe. Maikel Pablo Dalbem, C.Ss.R.

dalbemcssr@sagradafamiliacariacica.com


--
P.e Maikel P. Dalbem, C.Ss.R.

Nenhum comentário:

Postar um comentário